Jump to content

Turbine o seu Perfil

Confira a atualização e participe do clube!
Clique e saiba mais

Junte-se ao Clube de Membros VIP

Tenha destaque e diversos benefícios!
Confira Aqui

Acesse nosso Discord

Conheça nossos canais interativos
Confira Aqui
Notícia
  • Adquira já o seu VIP!
Phefm'

notícia Jovem tatuado na testa "sou ladrao e vacilao" é preso novamente

Recommended Posts

Ruan Rocha da Silva, jovem de 18 anos, que em 2017 foi tatuado na testa após supostamente roubar uma bicicleta, foi detido em flagrante na noite de sábado após furtar um mercado em Mariporã, São Paulo.

 

Por volta das 19h40, o dono do estabelecimento na Rodovia Arão Sham, no bairro Jardim Nippon, viu o jovem esconder produtos dentro da própria roupa e abordou Ruan na saída do estabelecimento comercial. Ruan estava com cinco frascos de desodorante.

 

A polícia foi chamada até o local. Ruan foi levado para a delegacia de Mairiporã e autuado por furto a estabelecimento comercial. Uma fiança de R$ 1 mil foi paga e ele vai responder ao crime em liberdade.

 

 

Bom... como estou pelo celular, não dá pra criar tópico bonitinho mas enfim....

 

Então né, o que dizer ? E agora defensoria? Qual vai ser a desculpa do cidadão em defesa deste elemento?

 

Sem comentários né? Rs ou querem ajudar na próxima vaquinha?

 

Por hoje é só.

  • Like 2

~~

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
@yahazu Rsrs vai se comover de novo? Nao interessa a história do sujeito o que interessa é SEGUIR a LEI. Nao interessa pode ser a historia mais triste e mirabolante do mundo... Nao se defende bandido.

~~

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Não acredito que tô vendo esse tipo de comentário sobre a notícia vindo de você, Phefm. @Edit na verdade dá pra acreditar sim. Dava pra achar que vc sustentava esse tipo de visão mas eu não tinha muita certeza porque você só falava de estrelas e tal. Mas é isso, dados científicos só servem quando são para concordar comigo ou falar de ciências duras. Porque pra dizer essas coisas você ignora o fator social que faz as pessoas cometerem crimes (vou falar só uma vez: não vem dizer que estou "defendendo" o cara, porque ele cometeu crime mesmo). Que é justamente o fato de como a desigualdade aumenta os índices de violência. Isso não é um fato de decorre do acaso. No mundo científico é quase um consenso que, quanto maior dificuldade, mais predispostas a cometer crime as pessoas estão. E zombar do fato do crime do cara ser roubar 5 desodorantes é lamentável. Para que fim ele roubaria se não para um uso de curto prazo de um pequeno benefício para si que seria irrisório ao compararmos com outros crimes. Mas é isso, ele cometeu o crime, foi solto e já era. Tu não tá defendendo a lei? Ele descumpriu a lei, cometeu o crime e foi liberado de acordo com a lei. Simples :)

Último acesso: 12/04/2014 - 14:32

Share this post


Link to post
Share on other sites
[quote name='Kairs']Não acredito que tô vendo esse tipo de comentário sobre a notícia vindo de você, Phefm. @Edit na verdade dá pra acreditar sim. Dava pra achar que vc sustentava esse tipo de visão mas eu não tinha muita certeza porque você só falava de estrelas e tal. Mas é isso, dados científicos só servem quando são para concordar comigo ou falar de ciências duras. Porque pra dizer essas coisas você ignora o fator social que faz as pessoas cometerem crimes (vou falar só uma vez: não vem dizer que estou "defendendo" o cara, porque ele cometeu crime mesmo). Que é justamente o fato de como a desigualdade aumenta os índices de violência. Isso não é um fato de decorre do acaso. No mundo científico é quase um consenso que, quanto maior dificuldade, mais predispostas a cometer crime as pessoas estão. E zombar do fato do crime do cara ser roubar 5 desodorantes é lamentável. Para que fim ele roubaria se não para um uso de curto prazo de um pequeno benefício para si que seria irrisório ao compararmos com outros crimes. Mas é isso, ele cometeu o crime, foi solto e já era. Tu não tá defendendo a lei? Ele descumpriu a lei, cometeu o crime e foi liberado de acordo com a lei. Simples :)[/QUOTE] Isso é coitadismo Leo, mano, podia ser pão pra comer não te dá liberdade pra roubar. Sistema é imundo sim, mas eai, a lógica que funciona na sociedade é você seguir o protocolo né não? Se você não teve a mesma condição que eu por exemplo você tem que ralar o triplo que eu e é isso. O meio capitalista. Vai morder o cotovelo por que eu tive mais oportunidade? Entende? Eu vejo isso com olhos invejaveis, mano, eu sei que o governo é uma bosta não funciona não entrega a oportunidade em equidade só desvio de verba um lixo. Mas a realidade é esta a situação é essa... agora nao é um coitado ou outro que vai ter direito, se for assim roba todo mundo entao carai0. Bora la... anarquia no bagui e ja era. N funciona assim vei... é questao de caráter. Quer desodorante? Vai trabalhar inventa qualquer coisa faz o certo pelo certo nao justifica o cara ir pegar desodorante assim. Senao se vc defende isso voce da espaço pra todos fazerem ue

~~

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Cinco frascos de desodorante cara ... Não sei nem o que dizer.


Bang!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Por que coitadismo? Eu não disse "coitadinho". Eu disse que a maneira como você escreveu seu post foi muito infeliz.

 

"Então né, o que dizer ? E agora defensoria? Qual vai ser a desculpa do cidadão em defesa deste elemento? "

Primeira coisa que com 'defensoria' você quis dizer os profissionais do direito que trabalham para defendê-lo? Por que, se for, bom... é trabalho deles.

 

"Sem comentários né? Rs ou querem ajudar na próxima vaquinha?"

Eu ajudaria, porque ele sofreu um crime desproporcional e é um jovem sem condições financeiras para fazer o tratamento e se livrar da cirurgia. Ele é tão criminoso quanto os outros que tatuaram na testa dele, por que não ironiza a ação desses bandidos também? Eles tão soltos também?

 

"Rsrs vai se comover de novo? Nao interessa a história do sujeito o que interessa é SEGUIR a LEI. Nao interessa pode ser a historia mais triste e mirabolante do mundo... Nao se defende bandido."

Eu concordo que não se defende bandido, em partes. Mas existe uma filosofia individualista que nos faz enxergar como se o indivíduo fosse uma matéria independente do seu contexto social e econômico, e hoje em dia a gente sabe muito bem que não é isso que acontece. O fato de mais pobres cometerem crimes quer dizer que pobres simplesmente escolheram ser mais vagabundos, bandidos, etc? Ou quer dizer que condições levam pessoas a agir de uma forma?

 

E se for para falar de lei, é bom lembrar que todas elas podem ser criticadas, inclusive suas aplicações. Infelizmente esse jovem voltou a cometer delito. Um pequeno delito.

 

Essa sua história de proto-meritocracia já se mostrou inefetiva no sentido de que vivemos num país extremamente desigual, e mesmo que ESSE jovem começasse a vender pipoca e pudesse comprar um desodorante, outras pessoas não conseguiriam a mesma coisa. Justamente pois as oportunidades são limitadas e pessoas que alcançaram o sucesso a partir da extrema pobreza são exceções, estatisticamente são bem baixos.

As coisas não são simples e preto no branco assim. Quer dinheiro vai trabalhar. Tu acha que a pessoa gosta de ser pobre? Se ele quisesse roubar para ostentar e tal, aí poderíamos enxergar de um outro ângulo, mas o cara rouba uma coisa básica.

 

Lembre-se que temos 14 milhões de pessoas desempregadas no Brasil. E é óbvio que não estão desempregadas por serem desonestas ou "vagabundas".

 

Resumindo o que estou dizendo: sempre que vamos falar de crimes, damos uma de Datena e zombamos do bandido, dizemos que ele tem que se foder mesmo, isso aí porra. Mas esquecemos de olhar que nossos índices de crimes estão assim pois o que define as estatísticas gerais da sociedade são as próprias estruturas da sociedade. Ele está errado por roubar? Está. Ele vai pagar isso? Tá pagando. Mas enquanto a gente continuar com papo de bandido bom é bandido morto e tal, sempre individualizando os problemas, vai ser difícil avançar. Porque uma sociedade é o resultado de indivíduos + relações sociais + ambientais.

 

Podemos continuar tatuando todo ladrão que roubar, mas isso não vai diminuir nossos crimes aqui.

  • Like 1

Último acesso: 12/04/2014 - 14:32

Share this post


Link to post
Share on other sites
Uma vez ladrão e vacilão, sempre ladrão e vacilão. @Kairs Pobreza não gera violência e muito menos criminalidade.. dizer isso é arrumar subterfúgios para julgar a condição/situação, e não o indivíduo. Fator social? O que leva alguém a cometer um crime? Engraçado que você mesmo se auto-respondeu: [quote name='Kairs'] Ele descumpriu a lei, cometeu o crime[U] [B]e foi liberado de acordo com a lei[/B][/U]. Simples :)[/QUOTE] É muita sacanagem perguntar os porquês de alguém cometer um crime em um país onde você mata,rouba e estupra e no mês seguinte já está na rua novamente...vida que segue [B]*A probabilidade é que ele não iria usar o desodorante, e sim vender pra comprar drogas.*[/B]

uo4Oj5U.png
 

Share this post


Link to post
Share on other sites
[quote name='teteu028']Uma vez ladrão e vacilão, sempre ladrão e vacilão. @Kairs Pobreza não gera violência e muito menos criminalidade.. dizer isso é arrumar subterfúgios para julgar a condição/situação, e não o indivíduo. Fator social? O que leva alguém a cometer um crime? Engraçado que você mesmo se auto-respondeu: É muita sacanagem perguntar os porquês de alguém cometer um crime em um país onde você mata,rouba e estupra e no mês seguinte já está na rua novamente...vida que segue [B]*A probabilidade é que ele não iria usar o desodorante, e sim vender pra comprar drogas.*[/B][/QUOTE] Teteu, por favor. Infelizmente, sua opinião não tem valor argumentativo frente aos dados. Pois opinião é uma ideia desinformada (assim como seria se eu desse minha opinião sem uma base antes), e os dados vão de maneira diametralmente oposta ao que você disse. Dizer que Pobreza não está relacionada à violência e criminalidade é de um desconhecimento sem tamanho. Indo na literatura científica, fica bastante claro que há uma ligação muito alta entre essas variáveis. [URL]http://emiguel.econ.berkeley.edu/research/poverty-and-violence-an-overview-of-recent-research-and-implications-for-foreign-aid[/URL] Esse artigo reporta um estudo que verificou a relação entre desigualdade e nível de violência em pessoas do sexo masculino: [URL]https://www.theguardian.com/us-news/2017/dec/08/income-inequality-murder-homicide-rates[/URL] "Inequality predicts homicide rates “better than any other variable”, says Martin Daly, professor emeritus of psychology and neuroscience at McMaster University in Ontario and author of [URL='https://www.newscientist.com/article/2115938-guilty-or-not-guilty-does-inequality-really-lead-to-murder/']Killing the Competition: Economic Inequality and Homicide[/URL]." E eu te explico como funciona esse estudo: Eu pego os dados de desigualdade de uma região, uma cidade, um país. Eu faço uma modelagem estatística para estimar qual seria o nível de violência, DADO o nível de desigualdade que eu tenho. Vamos supor que eu tenho um nível de desigualdade de 10 (tô chutando números pra exemplificar). Com um nível de desigualdade de 10 e fazendo uma modelagem matemática, eu chego a um resultado que o nível de criminalidade é de 1 a cada 10.000 habitantes. Ou seja, quando eu tiver uma força de desigualdade de 5, a minha criminalidade será de 1 a cada 20.000 habitantes e assim vai. Enfim, se no meu estudo eu tive 10 de desigualdade, 1 a cada 10.000 habitantes como taxa de criminalidade [B]no modelo[/B], eu agora vou pegar o número real de violência para comparar com o resultado do meu modelo. O dado do mundo real vai acabar sendo muito próximo do dado do modelo. Pra uma desigualdade real de 10, eu obtive uma taxa de criminalidade real de 1 para 11.000, por exemplo. Muito próximo do valor de 10.000 previsto pelo meu modelo. Se eu pego outras variáveis como, sei lá, time de futebol que o cara torce, e faço o mesmo modelo para ter a taxa de criminalidade, pode ser que o número no modelo fique muito distante do número real. Isso quer dizer que o time que o cara torce é pouco relacionado à taxa de criminalidade. Tudo isso que eu exemplifiquei foi de maneira simples. Um estudo de modelagem leva em conta métodos muito mais rigorosos de controlar os resultados. E, mesmo assim, se tem que a criminalidade á altamente relacionada com a desigualdade. É claro que é válido diferenciar desigualdade de pobreza. Mas no Brasil nós temos uma pobreza alta e uma desigualdade mais alta ainda, o que torna mais alarmantes nossos dados (é só ver o número de civis e policiais militares mortos anualmente). Resumindo, minha crítica é ao fato de a gente sempre se ater ao indivíduo. É óbvio que dá raiva alguém tomar algo que é de nossa propriedade. Eu já fui assaltado e, é claro, fiquei muito irritado depois, apesar de ele ter levado uma quantia de dinheiro que não me faz tanta falta. Mas vamos supor que eu fosse lá, desse uma surra no cara, batesse até ele não poder andar mais. Isso resolveria o problema? Resolveria individualmente, ele não ia mais assaltar ninguém. Mas claramente outros criminosos ocupariam o "nicho" de assaltos dele ali e manteria a criminalidade. Muito bandido pé de chinelo morre todo dia por aí ao realizar seus crimes rotineiros, mas isso não impede o avanço de violência no Brasil. Por isso só quero chamar atenção pra gente olhar pra criminalidade como um problema complexo e enorme, que não é resolvido com uma tatuagem na testa do cara. Por fim, é lembrar que o sistema carcerário brasileiro faz justamente o que eu disse não parecer funcionar. Temos a segunda maior população carcerária do Brasil, com 80% vivendo em celas superlotadas. Esse punitivismo não vai resolver o problema. Pode nos dar a sensação de justiça de prenderem o bandido e tal, é claro, para isso que serve a lei. Mas é insuficiente. Vou voltar a citar o dado de que 85% dos jovens que vão pra Fundação Casa ([URL]http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/DIREITO-E-JUSTICA/489058-TAXA-DE-REINCIDENCIA-ENTRE-INTERNOS-DA-FUNDACAO-CASA-E-DE-15.html[/URL]), não voltam a ser pegos por reincidência. Porque na Fundação Casa você tem um sistema de recuperação bastante eficaz (poderia ser mais ainda se tivesse apoio da população). Enquanto no sistema prisional tradicional esse número é bem mais alto. Recomendação: [URL]https://revistagalileu.globo.com/Revista/noticia/2017/01/prendemos-muito-e-prendemos-mal-o-problema-das-prisoes-no-brasil.html[/URL] Recomendação 2: documentário The 13th ("A 13ª emenda", que trata do sistema prisional americano).
  • Like 1

Último acesso: 12/04/2014 - 14:32

Share this post


Link to post
Share on other sites
Teteu, por favor. Infelizmente, sua opinião não tem valor argumentativo frente aos dados. Pois opinião é uma ideia desinformada (assim como seria se eu desse minha opinião sem uma base antes), e os dados vão de maneira diametralmente oposta ao que você disse. Dizer que Pobreza não está relacionada à violência e criminalidade é de um desconhecimento sem tamanho.

 

Indo na literatura científica, fica bastante claro que há uma ligação muito alta entre essas variáveis.

 

http://emiguel.econ.berkeley.edu/research/poverty-and-violence-an-overview-of-recent-research-and-implications-for-foreign-aid

 

Esse artigo reporta um estudo que verificou a relação entre desigualdade e nível de violência em pessoas do sexo masculino: https://www.theguardian.com/us-news/2017/dec/08/income-inequality-murder-homicide-rates

 

"Inequality predicts homicide rates “better than any other variable”, says Martin Daly, professor emeritus of psychology and neuroscience at McMaster University in Ontario and author of Killing the Competition: Economic Inequality and Homicide."

 

E eu te explico como funciona esse estudo:

 

Eu pego os dados de desigualdade de uma região, uma cidade, um país. Eu faço uma modelagem estatística para estimar qual seria o nível de violência, DADO o nível de desigualdade que eu tenho.

 

Vamos supor que eu tenho um nível de desigualdade de 10 (tô chutando números pra exemplificar). Com um nível de desigualdade de 10 e fazendo uma modelagem matemática, eu chego a um resultado que o nível de criminalidade é de 1 a cada 10.000 habitantes.

Ou seja, quando eu tiver uma força de desigualdade de 5, a minha criminalidade será de 1 a cada 20.000 habitantes e assim vai.

 

Enfim, se no meu estudo eu tive 10 de desigualdade, 1 a cada 10.000 habitantes como taxa de criminalidade no modelo, eu agora vou pegar o número real de violência para comparar com o resultado do meu modelo.

 

O dado do mundo real vai acabar sendo muito próximo do dado do modelo. Pra uma desigualdade real de 10, eu obtive uma taxa de criminalidade real de 1 para 11.000, por exemplo. Muito próximo do valor de 10.000 previsto pelo meu modelo.

 

Se eu pego outras variáveis como, sei lá, time de futebol que o cara torce, e faço o mesmo modelo para ter a taxa de criminalidade, pode ser que o número no modelo fique muito distante do número real. Isso quer dizer que o time que o cara torce é pouco relacionado à taxa de criminalidade.

 

Tudo isso que eu exemplifiquei foi de maneira simples. Um estudo de modelagem leva em conta métodos muito mais rigorosos de controlar os resultados. E, mesmo assim, se tem que a criminalidade á altamente relacionada com a desigualdade.

 

É claro que é válido diferenciar desigualdade de pobreza. Mas no Brasil nós temos uma pobreza alta e uma desigualdade mais alta ainda, o que torna mais alarmantes nossos dados (é só ver o número de civis e policiais militares mortos anualmente).

 

 

Resumindo, minha crítica é ao fato de a gente sempre se ater ao indivíduo. É óbvio que dá raiva alguém tomar algo que é de nossa propriedade. Eu já fui assaltado e, é claro, fiquei muito irritado depois, apesar de ele ter levado uma quantia de dinheiro que não me faz tanta falta. Mas vamos supor que eu fosse lá, desse uma surra no cara, batesse até ele não poder andar mais. Isso resolveria o problema? Resolveria individualmente, ele não ia mais assaltar ninguém. Mas claramente outros criminosos ocupariam o "nicho" de assaltos dele ali e manteria a criminalidade.

 

Muito bandido pé de chinelo morre todo dia por aí ao realizar seus crimes rotineiros, mas isso não impede o avanço de violência no Brasil. Por isso só quero chamar atenção pra gente olhar pra criminalidade como um problema complexo e enorme, que não é resolvido com uma tatuagem na testa do cara.

 

Por fim, é lembrar que o sistema carcerário brasileiro faz justamente o que eu disse não parecer funcionar. Temos a segunda maior população carcerária do Brasil, com 80% vivendo em celas superlotadas. Esse punitivismo não vai resolver o problema. Pode nos dar a sensação de justiça de prenderem o bandido e tal, é claro, para isso que serve a lei. Mas é insuficiente.

 

Vou voltar a citar o dado de que 85% dos jovens que vão pra Fundação Casa (http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/DIREITO-E-JUSTICA/489058-TAXA-DE-REINCIDENCIA-ENTRE-INTERNOS-DA-FUNDACAO-CASA-E-DE-15.html), não voltam a ser pegos por reincidência. Porque na Fundação Casa você tem um sistema de recuperação bastante eficaz (poderia ser mais ainda se tivesse apoio da população). Enquanto no sistema prisional tradicional esse número é bem mais alto.

 

Recomendação: https://revistagalileu.globo.com/Revista/noticia/2017/01/prendemos-muito-e-prendemos-mal-o-problema-das-prisoes-no-brasil.html

 

Recomendação 2: documentário The 13th ("A 13ª emenda", que trata do sistema prisional americano).

 

Você deu justamente a resposta que eu esperava.

 

Existem diversos fatores culturais atuando e modelando todos nós, pobres ou ricos, se você modelar alguém sobe os valores corretos, pobre,rico,classe média, f3dido da vida...tanto faz, ele irá batalhar pelo seu lugar no mundo, e não vai roubar "só porque fulano tem e eu não"... temos países mais pobres e desiguais que o nosso país, que inclusive são mais seguros e menos violentos.

 

Primeiro, pobreza,violência e desigualdade sempre existiram e sempre existirão.

Ser pobre, é somente ter uma renda baixa... e não assumir uma personalidade criminosa(ou ter mais chances disto).

Temos por exemplo, a Romênia(a pouco tempo era um país miserável), a China(antiga/atual), =~Indonésia...países que são(ou foram) pobres 'pra carai' e de muito contraste social, e nem por isso a criminalidade teve sua vez, sem contar, é claro, os países que já tiveram sua "fase ruim"...

//tirando o caso dos drogados na Indonésia.

 

Como podemos dizer, cada caso é um caso, e citar países Africanos incivilizados que vivem trocando de ditador/milícia a cada dia, não ajuda em nada. No caso do Brasil especificadamente, você contribui muito para o crime, porque se a pobreza gera criminalidade/violência, logo para o ato o pobre teve um motivo, motivo usado como justificativa a todo momento. Este é um dos principais motivos para se cometer um crime no Brasil, as pessoas vivem a justificar o crime, dando a população pobre de baixo QI motivos e argumentos para estes atos.

Em todos os locais de extrema pobreza que estive, existia um consenso sobre algo: "Roubar rico era belo e moral", de onde você acha que surgiu esse pensamento? QUEM VOCÊ ACHA QUE AJUDOU A ROMANTIZAR O CRIME DO ESTILO ROBIN HOOD NA POPULAÇÃO?

 

Os crimes no Brasil não ocorrem simplesmente porque os autores eram pobres, e sim porque no nosso país o establishment conseguiu convencer o pobre(algo até fácil) de que se o "pobre é pobre, é porque o rico é rico" saca? de que existe uma "grande batalha" de milionários opressores tentando a todo momento escravizar a classe trabalhadora, de que todo mundo deveria ser igual(no quesito econômico-algo impossível), e como todos não são iguais, logo o pobre pode "buscar seus meios revolucionários de atingir a igualdade"...

Eles conseguem convencer o pobre, que existe uma opressão sendo exercida contra ele, logo se você está sendo oprimido, tem que reagir... por isso muitos cantores de rap/mcs falam sobre a "reação".

Com este comportamento ainda sendo reforçado pelos esquerdistas na defesa do criminoso, no establishment querendo mais crimes só para poder aumenta o poder de controle sobre a população a segurança, coitadismo do "vitima da sociedade".

 

"Marcuse a torpe ideia de simplesmente substituir os agentes encarregados de promover a revolução: substituiu a massa de trabalhadores por uma massa de marginais – no sentido de grupo à margem da sociedade – o chamado lumpemproletariat, que são as pessoas que ocupam a camada mais inferior da pirâmide social, ou os ladrões, presidiários, viciados, prostitutas, indigentes, e toda horda de gente improdutiva e parasitária. Foi esta a estratégia que Marcuse traçou para manter vivo o espírito da revolução, diante da pífia adesão dos proletários trabalhadores à causa revolucionária."

 

Resumindo, pobreza não tem relação com criminalidade ou violência, e sim as questões culturais que construíram a mentalidade daquele povo, pobre ou rico. Se você está brincando de "ser do contra" em um fórum da internet, é melhor parar, pois essa é uma questão séria.

n vou comentar o resto pra n ficar textão.


uo4Oj5U.png
 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tá bom, teteu. Vou me limitar a não te responder mais. Porque, infelizmente, seu post carregado de opinião tirado do que você ACHA sem levar dados concretos em consideração não me acrescentam em nada num debate.

Ou seja, tudo que você fala é descartável em qualquer análise séria.

 

Continue ACHANDO isso que acha, você está negando um fato que eu dei dados, ou seja, você não quer aceitar isso, apenas.

 

Se souber ler em inglês, também acho que deveria ler isso:

http://thehill.com/blogs/pundits-blog/crime/322568-violence-is-a-symptom-of-poverty-not-a-cause

 

"Violência é um sintoma da pobreza, e não uma causa"

 

Boa sorte tirando opiniões do anus e usando como verdades para validar seus fracos argumentos.

  • Like 2

Último acesso: 12/04/2014 - 14:32

Share this post


Link to post
Share on other sites
Tá bom, teteu. Vou me limitar a não te responder mais. Porque, infelizmente, seu post carregado de opinião tirado do que você ACHA sem levar dados concretos em consideração não me acrescentam em nada num debate.

Ou seja, tudo que você fala é descartável em qualquer análise séria.

 

Continue ACHANDO isso que acha, você está negando um fato que eu dei dados, ou seja, você não quer aceitar isso, apenas.

 

Se souber ler em inglês, também acho que deveria ler isso:

http://thehill.com/blogs/pundits-blog/crime/322568-violence-is-a-symptom-of-poverty-not-a-cause

 

"Violência é um sintoma da pobreza, e não uma causa"

 

Boa sorte tirando opiniões do anus e usando como verdades para validar seus fracos argumentos.

 

Artigos não conclusivos são a "verdade" agora?

Apenas apresentei questões lógicas e históricas.

E lembre-se eternamente desta frase: "Miséria econômica não significa miséria moral"

 

“Homens”, diz Dalrymple, “pensam, e o conteúdo daquilo que pensam determina em grande parte o curso de suas vidas”[1]. É a refutação de uma máxima marxista infinitamente perniciosa que tem corrompido a vida intelectual ao afirmar que não é a consciência dos homens que determina seu ser, mas é o seu ser social que determina a consciência.

 

 

Se eu tirar milhões de dólares do meu "anus" e doar para as pessoas pobres que geram violência, logo elas ficariam ricas e a violência acabaria, eh isto !

Brasil é o país que ficou menos pobre, e em contrapartida mais violento, mas isto é apenas achismo, eh isto !

 

 

 

- Por Felipe Lomboni

Até que ponto os fatores externos condicionam ou até determinam a ação humana? Seria a pobreza a causa real de toda a miséria moral? Theodore Dalrymple, pseudônimo do médico psiquiatra Anthony Daniels, viu de perto a realidade das classes baixas da Inglaterra, chegando a atuar em hospitais públicos e presídios. Sua experiência no trato com viciados, assaltantes, moradores de rua e jovens mulheres constantemente agredidas pelos maridos nos mostram que a pobreza moral somada a uma máscara ideológica que visa amenizar a responsabilidade individual tem maior fator determinante do que a quantidade de bens que se possui.

 

Se observarmos mais de perto o fenômeno das conversões evangélicas que ocorrem nas favelas do Rio de Janeiro, por exemplo, veríamos que boa parte dos que antes traficavam drogas e praticavam furtos sob a desculpa de que era a única saída que a vida lhes dera, abandonaram completamente estes meios de enriquecimento fácil. Tais pessoas continuam pobres, continuam habitando a mesma região, mas a percepção deles mesmos em relação à sociedade e dos fatores que os condicionam foi alterada. Grande parte dos pobres, e dos ricos também, não ousariam praticar furtos ou traficar substâncias por medo da lei, da imagem que sustentam diante da comunidade em torno ou dos próprios valores morais. Já o fora da lei, sempre o teremos. E não importa a posição que ocupe na sociedade.

 

No Brasil, vemos que as condições não são tão diferentes quanto à Inglaterra de Dalrymple. Apesar da propaganda do atual governo mencionar que a miséria tenha sido erradicada entre nós e que o país esteja mais rico, os índices de violência crescem como nunca antes observado na história. Há um completo descompasso entre riqueza material e espiritual. O Wellfare-Stateinglês fazia de tudo para garantir os “direitos” inalienável dos mais pobres, como moradia, automóvel, pensão e até mesmo garrafas de Scotch, mas mascarava os dados que evidenciam o aumento da violência, sobretudo nos bairros mais... Pobres.

 

“Homens”, diz Dalrymple, “pensam, e o conteúdo daquilo que pensam determina em grande parte o curso de suas vidas”[1]. É a refutação de uma máxima marxista infinitamente perniciosa que tem corrompido a vida intelectual ao afirmar que não é a consciência dos homens que determina seu ser, mas é o seu ser social que determina a consciência. Longe de ser uma mera descrição do porquê alguns escolhem uma vida de crimes, o discurso progressista de que a pobreza determina a conduta individual acaba incentivando que mentes fracas – e como o mundo sempre foi cheio delas! – transfira a culpa pessoal para algum tipo de entidade abstrata, como “o sistema capitalista”, “a sociedade patriarcal”, “a igreja” e etc. Se o indivíduo não existe enquanto agente de suas próprias deliberações, só resta uma massa amorfa a arcar com a responsabilidade.

 

No Brasil, esse pensamento está enraizado em universidades, redações de jornais e programas de TV, e teve o seu auge quando intelectuais de esquerda aplaudiram o lançamento do livro Um Contra Mil, de William de Lima da Silva, que nada mais era que um verdadeiro tratado sociológico de como o crime era uma reação legítima contra uma sociedade injusta. Que William fosse mais conhecido como “O Professor” – líder do Comando Vermelho – não é informação relevante a esta altura.

 

A esquerda brasileira, após ter ajudado direta e indiretamente a elevar o nível da criminalidade no país, tenta posar como guardiã da liberdade e do progresso, com soluções para problemas que ela mesma inventou. Inventou e, assim como o banditismo urbano, se recusa a assumir a culpa. Talvez a esquerda gramsciana por aqui só dure até o início do verdadeiro estado de terror, quando será absorvida – ou fuzilada – pelos velhos revolucionários stalinistas. Deixar o banditismo à solta não visa acabar com a truculência dos órgãos de segurança contra pobres que não tiveram outra escolha a não ser a vida do crime, mas tão somente levar a população a clamar pelo policiamento ostensivo, até mesmo contra seus direitos mais básicos. Como Lênin dizia, “a burguesia tece a corda com que será enforcada”, mas no nosso caso, negando a realidade de que são espíritos de porco que materializam o chiqueiro, ou seja, que indivíduos e não entidades abstratas é que praticam ações, a corda é o discurso bem visto de que os chiqueiros é que fazem os porcos.

 

1. Dalrymple, Theodore - Vida Na Sarjeta, pag. 144, É Realizações (2014)

 

 


uo4Oj5U.png
 

Share this post


Link to post
Share on other sites
@Phefm' então... Eu não disse que ele estava correto em fazer o que fez. Ainda assim, enxergo alguém que cometeu delitos e que por algum momento esteve interessado na recuperação. Como eu disse anteriormente, a punição que ele sofreu foi incompatível, e executada numa condição humilhante. Eu acredito na recuperação de pessoas boas, inclusive, vi acontecer uma magnífica pessoalmente, com um amigo, que infelizmente faleceu anos depois. Se contar a história pro carroceiro, o burro que chora. Então, eu não to dizendo que devemos defender ladrão, eu to dizendo que é possível recuperar quem merece ser recuperado. E lembre-se phefm, um erro quase banal não torna uma pessoa RUIM. Veja o caso de Cristo na cruz, que disse a um ladrão que este estaria no céu, junto do salvador. @Kairs o seu único problema é levar em consideração qualquer "artigo científico" como verdade do mundo. Se eu te mostrar o que tem de produção lixo da UFES, de pessoas com pós-doutorado, você não vai acreditar. E outra, modelagem não mostra motivos. Apenas dados. Você colocou superficialmente demais, com variáveis bem destoantes. É LÓGICO que em qualquer modelo, a taxa de homicídios maior vai estar com a classe de renda mais baixa (POIS É A MAIOR PARTE DA POPULAÇÃO) isso é matemática da mais simples possível. Se 90% da população é baixa renda, a maior parte dos crimes vai vir causados por quem? Agora, me calcule a porcentagem de crimes cometidos por pessoas "ricas", se esse número for zero, tá decretado que violência vem da pobreza. Não faz sentido, sob qualquer ângulo dessa análise, a pobreza seria um gerador de violência. No mais, @teteu028 como sempre apresentou exatamente o que eu penso. Lembrando que os países mais violentos do mundo, estão concentrados na América central e na África. A desigualdade social é ruim, claro que é. Mas não é justificativa para cometer atrocidades. O que falta ao brasileiro, é educação. EDUCAÇÃO.
  • Like 1

Every man has to die

Share this post


Link to post
Share on other sites

Abaixo, o video contando a história do Garoto (um pouco). Explicando que ele não cresceu na caminha fofa, com a familia tradicional, com diversas oportunidades para seguir e mesmo errando todas, ter amor e familia pra dar apoio e direcionar. Claro, assiste quem quer.

 

https://noticias.r7.com/domingo-espetacular/videos/exclusivo-jovem-que-teve-a-testa-tatuada-mostra-o-rosto-pela-primeira-vez-21022018

 

#Edit

Ah, claro que vocês não tem conhecimento disso, porque vivem num mundo ideal, mas as clinicas não são baratas, existe a do governo que é de 30 dias aproximadamente. Depois, pau no seu cu, se vira. Se você tem uma familia que pode te ajudar a esquecer isso, te levar pra viajar pra esquecer os traumas, pode mudar de cidade pra voce não ser tão visado depois de virar um MEME negativo, talvez voce consiga se manter LIMPO e "CIDADAO DE BEM". Caso contrario, você vive a situação do Ruan/Juan.

 

Abraços, "cidadão de bem" de merda.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
Pois é, Cracko. Eu falei que o negócio é um CONSENSO CIENTÍFICO e os caras vêm me falar que eu levo qualquer artigo a sério. Eu não sei se é ignorância, falta de interpretação, ou o mais provável: falta de honestidade. Porque realmente a opinião dos caras vale mais do que centenas ou milhares de artigos publicados na área por milhares de profissionais que se especializaram e estudam isso durante sua vida acadêmica inteira. @yahazu Vamos fazer diferente, que tal você me trazer o número de casos de roubos efetuados por ricos de bens de consumo simples como uma bicicleta ou um desodorante, já que você nunca traz nada além de achismos em seus comentários. @Edit "Lembrando que os países mais violentos do mundo, estão concentrados na América central e na África. A desigualdade social é ruim, claro que é." UÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉ
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
@Kairs era um cara gente boa. Depois que entrou pra USP desgraçou foi tudo. Saiu (?) de lá todo esquerdizado. Só fala em minoria, em defender religião africana, desigualdade social, negros pobres, liberação de maconha. E outros assuntos de merda que a gente vê nessas universidades. ____________________________________________ Quanto ao tópico... Se fudeu, paspalho, simples. A única vítima dessa história foi o dono do estabelecimento que teve um bem subtraído. Isso não me comove nenhum pouco. Não ficarei surpreso quando esse ser aí for encontrado em uma vala qualquer ou amarrado a um poste, morto.
  • Like 1

"Não tenha medo das grandes despesas; tenha medo das pequenas receitas." John Rockfeller.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Coitadinho, tava fedendo e queria ficar cheiroso. Vamos fazer uma vaquinha e pagar um 212 pra ele, tadinho, vamos o recuperar

  • Like 2

‏‏‎ ‏‏‎‏‏‎ ‏‏‎‏‏‎ ‏‏‎‏‏‎ ‏‏‎‏‏‎ ‏‏‎‏‏‎ ‏‏‎‏‏‎

ddm45pu-9d57952b-f20c-4869-bacc-5fa6dd59

Share this post


Link to post
Share on other sites
[quote name='Dosbachy']@Kairs era um cara gente boa. Depois que entrou pra USP desgraçou foi tudo. Saiu (?) de lá todo esquerdizado. Só fala em minoria, em defender religião africana, desigualdade social, negros pobres, liberação de maconha. E outros assuntos de ***** que a gente vê nessas universidades. [/QUOTE] temas que universitários de qualquer lugar do mundo discutem, por perceberem o quão privilegiados são por fazer parte de um sistema que poucos têm acesso
  • Like 1

Último acesso: 12/04/2014 - 14:32

Share this post


Link to post
Share on other sites

A justiça brasileira está um verdadeiro caos, onde quem rouba vai preso, mas é só pagar uma mísera fiança que sai e vai cometer os crimes novamente, oque falar de nossa justiça? Fizeram de tudo pra tirar a tatuagem do cara ainda... Tinha mesmo é que deixar.

Share this post


Link to post
Share on other sites
[QUOTE="BolsominionPraMimÉmer, post: 9645250, member: 4846126"] @yahazu Vamos fazer diferente, que tal você me trazer o número de casos de roubos efetuados por ricos de bens de consumo simples como uma bicicleta ou um desodorante, já que você nunca traz nada além de achismos em seus comentários. @Edit "Lembrando que os países mais violentos do mundo, estão concentrados na América central e na África. A desigualdade social é ruim, claro que é." UÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉ[/QUOTE] Cara, as vezes eu me pergunto, você se faz de burro? [U][B]Só existe País pobre na América Central e na África?!?!?!?!?!?!?!?!?! [/B][/U] Me referia apenas a Educação. Eu não fico trazendo artigo científico aqui, pois qualquer animal hoje em dia pode publicar um. Eu mesmo tenho 2 publicados. QUALQUER ANIMAL... Então quer dizer que só negro e pobre que rouba? Tá esquecendo dos maiores ladrões da nossa sociedade? E porquê você se refere a roubo de bicicleta agora? Não era apenas um "furtinho simples"? A falta de moral atinge qualquer um, branco, negro, pobre, rico. Que tal a gente conversar um pouco sobre escravos italianos que morreram trabalhando em vias férreas em alguns lugares da Europa? Eu como descendente de italiano, quero minhas regalias.... Moleque, cresce pra vida. Tá na hora já.

Every man has to die

Share this post


Link to post
Share on other sites

1. A miséria moral não depende da sua condição social. Porém a pobreza é um dos fatores que impulsiona atos de miséria moral. Isso não significa que esse seja o único fator e que, se resolvido, não haverá mais crimes. A pobreza apenas aumenta a ganância, pois quanto menos você tem, há mais para se querer, entretanto os 7 pecados sempre estarão vivos em nós.

 

2. O que diferencia a moral de um criminoso e de alguém que nunca cometeu um crime não é a moral primitiva. Nenhum de nós é perfeito, então não podemos justificar que somos diferentes porque somos anjos (não somos). O que diferencia é a paideia. A educação moral é o que define se iremos agir pela nossa moral corrupta ou não. Essa educação está em ambientes escolares, ambientes religiosos e ambientes militares (entre outros menos universais). Cada qual com sua própria forma de ensinar, mas os princípios de fraternidade e respeito geralmente são iguais. Sempre é raro ver alguém realmente bem educado, mesmo que uma pessoa justa, pode ser egocêntrica, por exemplo, mas é porque todos os três ambientes de ensino são regidos por homens igualmente corruptos em sua moral e que apresentam falhas de julgamento de tempos em tempos, e isso é passado de geração em geração, geralmente com uma diminuição de falhas (ao ponto que a sociedade Twitter não aceita nem que se peide no próprio quarto mais). A moral não é sobre fazer o certo ou o errado, é sobre tentar fazer o certo, exaustivamente. A todo momento somos tentados e a moral é a nossa ferramenta de julgamento.

 

3. A história explica o fato, sempre. Nada acontece solitário, sem algo que veio antes e o influenciou. Portanto, há diferenças entre dar "desculpas" para que alguém cometa um crime, e analisar o que levou a pessoa a cometê-lo. Principalmente porque muitas vezes nem a própria pessoa sabe os verdadeiros motivos que a psicologia e a sociologia analisam, então como exigir que ela seja compreendida quando ela não agiu pensando racionalmente daquela forma e sim instintivamente? Mas isso não exclui a necessidade de buscarmos soluções para as coisas. E quando buscamos uma resposta para o criminoso, como nesse caso, não estamos falando deste indivíduo, e sim de um futura geração que se as medidas forem aplicadas sobre de forma ampla, pode alterar o resultado. Isso é ciência.

 

4. Não acho que se fosse por necessidade ele roubaria cinco desodorantes de uma vez. E não acho que em uma situação em que ele não pode comprar desodorante ele ia se preocupar com cheiro, ele se preocuparia com o que comer amanhã. Provavelmente queria usar como droga. E para falar bem a verdade, isso meio que justifica meus outros argumentos, não é? Alguém que recebeu outra chance, que foi visto como coitado repete erros ingênuos... isso é coisa de gente ignorante. E quando digo ignorante, não falo que ele não sabe química, ou matemática, português ou política, e nem falo por maldade. Apenas é um fato que ele é moralmente ignorante.

 

5. Quando são propostas algumas soluções, é preciso entender que não é uma solução para o indivíduo do qual falamos. Infelizmente, é muito provável que este garoto esteja perdido e seja um problema para a sociedade até o fim da sua vida. Idealmente, haveria uma solução, mas não é tão fácil. Acredito que correções morais não são feitas em uma cadeia cheia de gente ficando sem fazer nada o dia inteiro, nem que isso demore pouco tempo. É a mesma coisa que deixar a criança de castigo uma vez na vida e nunca mais mexer um dedo, e esperar que saia um grande filósofo. A construção da moral é longa, uma passagem pela cadeia vai fazê-lo entender que não se pode roubar desodorante. Grande bosta saber disso quando sua moral é corrupta. Todo político sabe que não deve roubar, por isso não sai por aí gritando que rouba milhões. A construção moral exige mais de uma década, em um momento propício (porque o indivíduo adulto não possui a noção de inferioridade para ouvir), exige também uma estrutura de verdade com pessoas que sabem o que falam. Exige dinheiro para caralho. Exige aspectos religiosos, filosóficos e militares.

 

6. Portanto, você só pode construir uma moral em uma criança. É por isso que quando se precisa de educação, precisa-se não só ensinar a calcular o ângulo de um triângulo ou entender cinemática escalar, há uma educação base que é tão forte que não é presente só na escola. Está em casa, está nas suas crenças. E se for a educação certa (porque, né, o pessoal do ISIS foi educado religiosamente, não significa que foi BEM educado), o ser humano prospera. Infelizmente, você não pode investir na educação dos menores de idade e de bandidos ao mesmo tempo, e o futuro sempre é prioridade porque dá um efeito mais longo. Esse garoto nunca teve a oportunidade de uma boa educação e nós não podemos oferecer isso para ele, não é sustentável. Ele poderia mudar, mas nós não podemos fazer a mudança.

 

7. Agora imagine que esse garoto tivesse sido bem criado por uma família, mesmo que pobre, tivesse ido ao colégio e estudado filosofia, política e tudo mais que deveria ser ensinado (com qualidade), tivesse conhecido religiões e feito suas escolhas. Alguém aqui realmente acha que ele estaria roubando cinco desodorantes?

 

8. Então quando nós vemos o que fazer com esse garoto, ficamos cegos. Uns querem matar, uns querem ensinar. Não importa. Um é moralmente errado, o outro não é possível. Não dá para olhar o que fazer com ele, mas sim o que deveria ter sido feito, e realmente fazer. Enquanto ele terá uma triste vida de vergonhas e erros. Exceto se alguém (ONG, sei lá) quiser ajudar ele pessoalmente, aí talvez a história seja diferente. E tomara que seja mesmo. Prefiro ex-bandido sendo economicamente ativo do que na cadeia ou no caixão, mas a realidade é cruel.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
@Kush. 1. Boa especificação, mas a conclusão ainda é a mesma: "No final, é sempre uma questão moral". 2. Concordo, eu resumi isto no segundo post, só que utilizei a palavra "cultura" pra englobar cositas más 3.Sim. 4. Como já dizem, errar uma vez é humano... 5 - Se alguém quer uma segunda ou terceira chance, até vai... só que infelizmente existem pessoas que definitivamente não querem mudar. Gente safada existiu em todas as civilizações, e sempre vão continuar a existir. Ai que entra a cadeia, para tirar de circulação indivíduos que podem trazer problemas para a sociedade de um modo geral. Ou até mesmo para mostrar que crimes têm consequência/s 6 - Se ele teve a oportunidade de ter boa educação ou não, eu já não sei, mas muitos que eu conheci tiveram, e mesmo assim escolheram o crime. E eu acho que mudar a moral de alguém é possível, basta a pessoa querer [SPOILER="https://www.youtube.com/watch?v=sK05vu-3Sqo"][/SPOILER] 7 - Este é o grande problema, fazem 5,6,7 filhos, na hora de criar largam pelas ruas. Deixam os filhos na rua o dia inteiro...e como já diz o ditado, se você não ensinar seu filho, pode ter certeza que o mundo irá fazer isso. Não falo isso por suposição, foi algo que eu tive a oportunidade de observar pessoalmente durante a maior parte da minha vida. 8- Como eu já disse, é uma boa, mas nem todos querem ajuda. ________________________________________________________________________________________ A população quer a cabeça dos bandidos, mas não é qualquer população, é uma população que vem sendo "estuprada" por criminosos por tanto tempo, e pior, sem resposta na "justiça". Cr4cko + Kairs não aceitam nem o direito de revolta das pessoas...mas aceitam o direito de revolta dos "não privilegiados". Como já dizem, no Brasil você só tem o direito de ser assaltado(via impostos ou com os ajudantes externos do governo, vide 'não privilegiados'...) e claro FICAR CALADINHO. _________________________________________________________ [quote name='Dosbachy']@Kairs era um cara gente boa. Depois que entrou pra USP desgraçou foi tudo. Saiu (?) de lá todo esquerdizado. Só fala em minoria, em defender religião africana, desigualdade social, negros pobres, liberação de maconha. E outros assuntos de ***** que a gente vê nessas universidades.[/QUOTE] De gente boa para justiceiro social...final mais trágico que Romeu e Julieta.

uo4Oj5U.png
 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.

×
×
  • Create New...