Bem-vindo ao Fórum!

Registre-se agora mesmo e fique por dentro da maior comunidade de Cheats do Brasil!

Search the Community

Showing results for tags 'futuro'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Anunciantes
    • silvaBR Cheats
  • Anúncios/Eventos
    • Regras
    • Anúncios
    • Eventos do fórum
  • Feedback & Suporte
    • Tutoriais WC
    • Suporte
    • Denúncias e Reclamações
    • Sugestões
    • Depósito
  • WebCheats Premium
    • Trackers & Warez
    • Download
    • Cracking
    • Serviços Pagos - Pedidos
    • MarketPlace
    • Conteúdo Adulto
    • Taverna WebCheats Premium
  • Shooter Zone
    • Point Blank
    • Combat Arms
    • Cross Fire
    • Counter Strike
    • Battle Royale
    • Outros Shooters em Geral
    • Shooter Zone - Lixão
  • RPG/MOBA Zone
  • Outros Games Zone
  • Design Zone
  • Info Zone
  • Video Games Zone
  • Entretenimento & Diversão

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


About Me


Discord

Found 9 results

  1. Os dias vão passando e nem sempre reparamos no quanto a tecnologia avançou ao longo das últimas décadas, portanto, às vezes é preciso parar para refletir sobre isso. Seja na qualidade de imagens, na capacidade de nossos cartões de memória ou até mesmo na capacidade dos dispositivos móveis que carregamos no bolso todos os dias, a tecnologia já chegou absurdamente longe. Aqui vão alguns exemplos de como essa evolução fica evidente quando comparamos com dados do passado. 1. Imagens espaciais Nossa visão de Plutão melhorou bastante nos últimos 20 anos. Essa comparação da revista Space destaca como a qualidade das imagens espaciais evoluíram absurdamente em apenas duas décadas. Se em 1996 Plutão era um amontoado de pixels incompreensíveis, em 2015 nós pudemos ver o planeta anão do Sistema Solar em alta definição. 2. Pendrives DiskOnKey, o primeiro pendrive do mundo, tinha apenas 8 MB de armazenamento. Em 2000, a IBM lançou o DiskOnKey, o primeiro pendrive igual ao que conhecemos atualmente. As unidades de estreia deste equipamento foram fabricadas pela M-System e ofereciam incríveis 8 MB para armazenamento, valor completamente distantes daqueles oferecidos por peças minúsculas de 1 TB ou até 2 TB que vemos atualmente. 3. Drives para armazenamento 5 MB de memória já foram bem pesados. Se hoje temos os ultrarrápidos SSD de até 100 TB ou mesmo HDs portáteis que pesa apenas alguns gramas e guardam diversos terabytes, há 60 anos a coisa não era bem assim. A imagem acima é clássica e mostra um dispositivo de armazenamento de apenas 5 MB (sim, megabytes) da IBM que media 1,4 metro quadrado. 4. Cartões microSD Cartão microSD de 512 GB já é realidade. Os cartões que usamos hoje em dia para expandir o armazenamento dos smartphones foram criados em 1999, mas começaram a ser vendidos apenas 2005, com modelos que ofereciam entre 32 MB e 128 MB. Atualmente, há opções de 246 GB e 512 GB disponíveis no mercado, tudo isso em um intervalo de pouco mais de 10 anos. 5. Processamento de dados O computador do foguete que levou a humanidade à Lua era bem mais fraco do que um celular de entrada de 2018. O computador do foguete Apollo 11, que levou os seres humanos à Lua em 1969, era muito mais fraco do que dispositivos básicos da atualidade. Ele tinha apenas 64 KB de memória RAM e uma CPU de 0,043 MHz, quantidade significativamente inferior mesmo a diversos equipamentos mais modernos, inclusive um simples smartphone de entrada à venda em 2018. 6. Tudo no seu bolso 1996 vs 2013: Agora tudo cabe no seu bolso. Até meados dos anos 2000, computador, agenda, calendário, bloco de notas, relógio, máquina fotográfica, filmadora, telefone e walkman eram dispositivos separados. A partir da segunda metade da década, porém, os smartphones se tornaram realidade e tudo isso começou a se tornar um só equipamento. 7. Computadores ENIAC em foto tirada em 2006. O primeiro computador digital eletrônico em grande escala foi o ENIAC, que entrou em funcionamento em 1946 e pesava nada menos do que 30 toneladas. Hoje em dia, não é tão difícil encontrar laptops que oferece potência infinitamente superior à do computador dos anos 40 e pesam somente 1,2 kg. Este artigo foi inspirado em uma publicação do site Science Alert. Fonte: IBM / SCIENCE / NASA
  2. Antes de aparecer no encerramento da Copa do Mundo da Rússia, Ronaldinho Gaúcho contou ao mundo no fim da última semana o seu mais recente projeto: uma criptomoeda. O atleta que conquistou o mundo do futebol com seu talento por times como Barcelona, Atlético Mineiro e Seleção Brasileira será o principal ativo da Ronaldinho Soccer Coin (RSC). A venda privada dos primeiros tokens começou ontem (16) e a pré-venda aberta ao público acontece a partir de 16 de agosto. O projeto, desenvolvido em parceria com a World Soccer Coin, utiliza a plataforma de blockchain NEO e emitirá 140 milhões de moedas apenas durante a primeira fase da oferta inicial de moedas (ICO). A iniciativa inclui, ainda, uma série de outros lançamentos programados até 2020, como o desenvolvimento de uma plataforma de serviços em realidade virtual, a criação da Ronaldinho Academy e de centenas de arenas digitais para competições profissionais e amadoras de eSports e também o lançamento de uma plataforma virtual de apostas esportivas com a marca Ronaldinho. O white paper da nova criptomoeda ainda não foi disponibilizado, mas os responsáveis por ela prometem que isso será feito “em breve”. Informações detalhadas sobre a Ronaldinho Coin Soccer podem ser encontradas no site oficial do projeto. Fonte: RONALDINHO SOCCER COIN
  3. Mais uma fonte disse que a Samsung pretende mesmo lançar um celular dobrável no início do próximo ano. Dessa vez a informação vem do jornal The Wall Street Journal, que diz ter falado com pessoas próximas ao assunto. Essa não é nem de longe a primeira vez que o aparelho é citado. Ainda durante essa semana, uma patente da Samsung mostrou possibilidades de uso para a tela dobrável. No início do mês, outro rumor dizia que a empresa estaria preparando o lançamento do aparelho para janeiro, um mês antes do provável anúncio do Galaxy S10. Patente da Samsung mostra como pode ser o futuro celular dobrável. De acordo com o WSJ, o aparelho, que é chamado internamente de Winner (vencedor), teria uma tela de 7 polegadas quando desdobrado, seria focado em mercados de nicho, como gamers, e poderia ser "dobrado como uma carteira". O projeto seria a prioridade máxima de vários executivos da empresa e também de Jay Lee, herdeiro da Samsung que começou a mostrar interesse na divisão de dispositivos móveis da companhia sul-coreana. A matéria também diz que ele pode custar mais de US$ 1.500, algo já comentado anteriormente. Caso as informações se confirmem, essa seria mais uma adição à série de topos de linha da Samsung, se juntando aos Galaxy S e aos Galaxy Note. Eai, o que achou do futuro lançamento da gigante Samsung? Lembra muito aqueles celular antigos que abre e fecha também, lançados pela nokia e outros. Vamos ficar no aguardo de mais novidades. Fonte: BGR / THE VERGE / WSJ
  4. - Tinha que ser lá! Dubai é uma cidade extremamente conhecida pelas construções enormes e, geralmente, de orçamentos bilionários. Contudo, o próximo grande projeto proposto para a cidade não tem nada a ver com turismo ou negócios, e sim com o futuro e, mais ainda, com o meio-ambiente. A ideia é que a maior fazenda vertical do mundo seja construída em Dubai, e as obras devem começar em novembro deste ano, sendo encerradas em 2020. Considerando que a cidade tem problemas com a escassez de água, serão utilizadas tecnologias de ponta e agricultura com baixo consumo de água. A fazenda vertical irá ocupar uma área de 130.000 pés quadrados, e terá um custo de aproximadamente 40 milhões de dólares. Trata-se de um projeto que é resultado da união das empresas Emirates Flight Catering e Crop One Holds. De acordo com as empresas envolvidas, essa instalação vai ter baixo consumo dos recursos ambientais, uma vez que irá utilizar 99% a menos de água que os campos ao ar livre. Além disso, depois que estiver tudo pronto, a fazenda poderá produzir três toneladas de vegetais diariamente, por não depender das estações do ano. Ao invés de obterem as substâncias necessárias do solo, as plantas irão obter sustento com uma solução composta por diversos nutrientes, e estarão em ambientes com temperatura e umidade controlados rigidamente. “Mas e a luz solar?”, você deve ter se questionado. Também haverá um substituto, luzes de LED. Todos estes alimentos serão utilizados nas refeições dos vôos e saguões em aeroportos. As fazendas verticais podem ser uma boa proposta para o meio-ambiente, já que consomem 95% menos água e não utilizam pesticidas. Além disso, também contam com uma excelente redução de custos e impactos, uma vez que evitam desperdícios e contribuem para a redução da poluição ambiental. Fonte: UBERGIZMO
  5. Quem acompanha o Netflix, com suas dezenas de séries e filmes de produção própria, certamente já ouviu falar de Black Mirror. E se não conheceu ou assistiu a um dos episódios (não sequenciais), certamente já viu pelas redes sociais a exclamação “Isso é tão Black Mirror!” em contextos descrevendo a tecnologia sendo usada de maneira controversa no cotidiano. Quando a polêmica choca e diverte E por falar em controvérsia, esse é o tempero da série. Escrita por Charlton Charlie Brooker, aclamado escritor e comediante britânico, a abordagem de Black Mirror é de incomodar e alertar: Com uma pegada SCI-FI, um quê de thriller psicológico e sobretudo altas doses de sátira aos costumes atuais, Black Mirror não te deixa confortável. É aquela série que você começa ansioso, fica surpreso, estupefato e termina incomodado. Mas esse incômodo é um misto de fascínio. A série cativa pela controvérsia de suas mini estórias, que não são interligadas (você pode assistir os episódios na sequência que quiser, pois cada um tem uma trama diferente). A crítica, lógico, rasgou elogios pela ousadia e inovação da série, quando de seu lançamento (inicialmente para a tv britânica). A Netflix, por sua vez, percebendo o sucesso evidente da série, em especial pelo ineditismo da primeira temporada, já encomendou as sequências seguintes e com isso já seguimos com quatro temporadas, embora a última não tenha tido uma recepção tão calorosa quanto foi com a primeira. O ponto alto da série é que a ambientação dos episódios ocorre no presente tecnológico em que já vivenciamos, ou num futuro próximo. E isso assusta: as tecnologias usadas em alguns episódios ou já são parte de nosso dia-a-dia ou serão muito factíveis a curto prazo. A pitada de sátira com o comportamento humano atual, misturada com a pressão do incômodo psicológico e o excesso de tecnologias que nos cercam abre ao espectador uma pergunta evidente: para onde a humanidade caminha? Cada episódio um universo próprio O primeiro episódio (The National Anthem), chocou a mostrar uma hipotética Inglaterra sofrendo com um dilema moral de seu Primeiro-Ministro, ao ter que praticar atos sexuais (bizarros obviamente) em cadeia nacional, a mando de um grupo de sequestradores de uma princesa real. O choque do enredo choca mais ainda por se tratar de uma situação que atualmente seria plenamente possível (e trágica inclusive). O desfecho mostra a profundidade que a série quer mostrar ao espectador e de fato mostra a que veio. Em White Bear (segunda temporada), vemos a tragédia humana virar atração, no melhor estilo de reality show com uma pitada de moralismo de Estado quando a protagonista acorda num local em que ela não se lembra de nada nem de si mesma e é obrigada a fugir de um grupo que a persegue, tendo que pedir ajuda a algumas pessoas que não são confiáveis e tendo inclusive que lidar com um grupo de espectadores que a acompanha em seu desespero munidos de câmeras celulares. O fim do episódio mistura indignação e perplexidade sobre quais eram os propósitos das perseguições à protagonista. A terceira temporada nos trouxe um episódio (Nosedive) que brilhantemente mostra uma questão que se não é realidade em nossas vidas, muito possivelmente será e quiçá na China já esteja se tornando uma parcial realidade, ainda que em testes: a classificação da reputação dos cidadãos de forma digital. O episódio foca o desespero de uma mulher em ter uma boa nota nas redes sociais (o que naquele universo do episódio significaria ser popular, ter melhor crédito e status social), e o que pode acontecer com quem entra de mergulho nessa busca desenfreada por reconhecimento. Se observarmos ao nosso redor, a sociedade meio que já caminha de alguma forma para essa realidade, motivo de alarme e questionamentos sobre como nos relacionamos nas redes sociais. Por fim, um episódio marcante da quarta temporada e que inclusive chegou a ser cogitado de virar um spin-off foi uma simulação de série SCI-FI dos anos 60. Com cabelos estilosos e colorido característico, USS Callister é um episódio de fascínio visual, onde temos um capitão de nave espacial desbravando o espaço com sua filha tripulação. O que ninguém sabe (ou sabe, o que é pior de tudo), é que aquele universo à la Star Trek 60’s não passa de uma fantasia megalomaníaca de um programador que extrapola os limites do socialmente aceitável para manter uma questionável conquista espacial. A mensagem de Black Mirror Como brevemente mostrado, num apanhado por amostragem, fica evidente que cada temporada criou uma variedade de contos, das mais diversas roupagens e enredos, mas em todos a tecnologia é vista como potencialmente nociva se não bem utilizada. Esse é o propósito de Black Mirror: mostrar que presente altamente tecnológico e o futuro não tão distante podem ser ao mesmo tempo fascinantes e nocivos para a sanidade mental. Tudo já está entre nós, ao nosso alcance e conectado. E isso é tão Black Mirror! E aí, assiste ou já assistiu Black Mirror? O que achou? Fonte: Redação PTI
  6. Olá amiguinhos, hoje resolvi trazer a conhecimento mais amplo e detalhado sobre o que é a Inteligência artificial. Visão Geral Sobre Inteligência Artificial. O que é exatamente inteligência artificial ? A sofisticação das ferramentas digitais e a enorme quantidade de informações às quais se tem acesso atualmente foram responsáveis por popularizar a expressão "inteligência artificial" (IA). Para muitos, porém, ainda não está claro o que IA realmente significativa e quais são as possibilidades que se abrem quando o recurso passa a ser utilizado em larga escala. De início, IA pode ser definida como a capacidade de uma máquina reconhecer elementos como imagens, palavras e fala. Acontece que os avanços tecnológicos permitiram alcançar um grau de desenvolvimento tão elevado que o outro lado da IA é a possibilidade de que uma máquina aprenda e passe a raciocinar de formas muito similares às das pessoas. Mas, se a IA permite que as máquinas aprendam diversos processos, como os mencionados acima, não é exatamente uma novidade, correto? Em parte, sim. Já faz algum tempo que o recurso está disponível, mas o campo tem crescido significativamente nos últimos anos. Isso se deve a três fatores que estão acontecendo ao mesmo tempo: a potência massiva de computação da nuvem, a disponibilidade de enormes conjuntos de dados que podem ser usados para treinar sistemas de IA e as inovações no desenvolvimento de algoritmos e métodos de IA. A essa altura, já deve ter dado para perceber que as possibilidades oferecidas pela IA são inúmeras. Nesse sentido, a Microsoft leva vantagem em cada um dos fatores que resultaram na disseminação da IA nos últimos anos, presentes em diversos produtos da empresa. Com o Azure, ela aproveita o imenso poder de computação da nuvem para armazenar, processar e analisar grandes conjuntos de dados que são usados para treinar sistemas de IA. Já os gráficos de dados de serviços como Bing, Office e LinkedIn ajudam a desenvolver e treinar sistemas de IA. Por fim, a Microsoft implementa diversas inovações em IA através de sua rede mundial de laboratórios de pesquisa, trazendo novidades em áreas desde o reconhecimento de fala até tratamentos de saúde. Quais vantagens a IA pode gerar para as pessoas? Uma das principais possibilidades oferecidas pela IA é poupar o tempo das pessoas e liberá-las para trabalhos mais interessantes, ajudando com tarefas como manter o controle de compromissos ou com a automatização de alguns processos para rastrear bugs em softwares. À medida que os sistemas de IA se tornarem mais sofisticados, a tendência é que a tecnologia também seja fundamentalmente mais útil e intuitiva. Atualmente, ainda estamos nos estágios iniciais de compreender o que os sistemas de IA serão capazes de fazer. Por enquanto, eles são muito bons em realizar certas atividades, como reconhecer fotos ou palavras, mas não se comparam sequer à capacidade de um bebê no que diz respeito a entender o mundo ao seu redor com uma combinação de sentidos como o tato, a visão, a audição e o olfato. A grande diferença da IA para o cenário em que ela não é utilizada é que a tecnologia pode aprender a se adaptar a como as pessoas querem trabalhar e viver. Em vez de digitar um e-mail no telefone, por exemplo, é possível ditá-lo usando o reconhecimento de fala. Com a IA, pessoas cegas ou com visão fraca podem usar tecnologia capacitada por IA para obter uma explicação detalhada do mundo ao seu redor. Os sistemas de IA podem traduzir conversas em tempo real, permitindo que as pessoas superem barreiras linguísticas facilmente. Em suma, sistemas que usam IA podem entender melhor, prever e responder às necessidades das pessoas. Isso ajuda a abordar problemas que não poderiam ser resolvidos antes, além de liberar tempo para que o usuário desempenhe tarefas mais complexas. Como utilizar as ferramentas de IA disponíveis atualmente? A Microsoft tem utilizado IA para tudo, oferecendo recursos muito avançados no que diz respeito à qualidade de seus serviços. A empresa combate golpes de suporte técnico por meio de IA, mas também a usa para ajudar os usuários a criar apresentações melhores no PowerPoint. A IA ainda está presente no Microsoft Translator, que lança mão de uma técnica chamada de aprendizado profundo para oferecer traduções mais fluentes e que soem mais naturais. Já no Bing, a IA apresenta respostas diretas para determinadas consultas e pode até, em alguns casos, resumir duas perspectivas diferentes sobre um tópico controverso. Outras aplicações da IA por parte da Microsoft estão diretamente atreladas à preocupação quanto a preservar o meio ambiente. Parte da iniciativa AI for Good, pertencente à empresa, emprega a tecnologia para descobrir como cultivar mais alimentos utilizando menos recursos naturais. Já para quem estiver interessado em incorporar a IA a seus produtos, a Microsoft oferece ferramentas como Cognitive Services e Azure Bot Service. Há riscos na utilização de IA? A Microsoft defende que é essencial desenvolver e adotar princípios claros para guiar as pessoas construindo, usando e aplicando sistemas de IA. Tais princípios deveriam, entre outras coisas, garantir que os sistemas de IA sejam justos, confiáveis, seguros, privados, protegidos, inclusivos, transparentes e responsabilizáveis. A empresa também acredita que as equipes de pessoas encarregadas por projetar os sistemas de IA devem refletir a diversidade do mundo atual. A abordagem da Microsoft à IA é baseada na missão da empresa de ajudar todas as pessoas e organizações do planeta a realizar mais. Assim, ela considera que os avanços em IA mais resolverão desafios do que os criarão. E aí, deu pra captar um pouco sobre toda essa tecnologia que vem cada vez conquistando mais o nosso mundo? Claro, esperamos que todo esse avanço e o que vem pela frente seja sempre em prol do bem humano e jamais em benefício de guerras e violência. Gostou? Incentive dando um like! Fonte: Tcmundo, Google e WK
  7. E aí meus queridos, oque acham dessa notícia? Eu coloquei o prefixo em "Discussão" para saber mais sobre a opinião de vocês, tamo junto! E se conseguíssemos ver o futuro? Hoje, estamos habituados à tecnologia que consegue prever as palavras que queremos escrever. Amanhã, esse tipo de software poderá conseguir prever nossas ações futuras. Uma tecnologia recente, criada por cientistas da computação da Universidade de Bonn, na Alemanha, ampliou as fronteiras sobre como os computadores podem antecipar com precisão os comportamentos humanos. As gerações atuais de software antecipatório só estão interessadas em saber o que faremos nos próximos segundos. Agora, a tecnologia desenvolvida consegue prever os comportamentos dos minutos seguintes. “Queremos prever o tempo e a duração das atividades, minutos ou até horas antes de acontecerem”, diz o líder da equipe, Jürgen Gall. O objetivo da equipe de cientista era verificar se um programa conseguia prever uma sequência de ações de até cinco minutos no futuro, com base na observação das primeiras etapas da atividade. Assim, os cientistas treinaram o software para adivinhar o que o chef faria em seguida, mostrando a ele uma série de vídeos de pessoas preparando um café da manhã ou uma salada. Se nós víssemos um vídeo de alguém pegando uma tigela e um pacote de cereais, com certeza adivinharíamos os cinco minutos seguintes. Mas esse tipo de raciocínio não é uma tarefa fácil, muito menos inata, para os computadores. A equipe testou duas abordagens usando diferentes tipos de redes neurais artificiais: uma que antecipou ações futuras e refletiu antes de antecipar novamente, e outra que construiu uma matriz em um único hit antes de analisar as probabilidades. Como seria de se esperar, quanto mais olhavam para o futuro, mais erros cometiam. “A precisão foi de 40% para períodos curtos de previsão“, diz Gall. No fim das tentativas, os cientistas descobriram que seu software conseguia prever corretamente uma ação e sua duração em 3 minutos do futuro. Embora possa não parecer impressionante, isso estabelece uma base sólida para a inteligência artificial futura que pode vir a desenvolver uma supervisão humana. A equipe irá apresentar os resultados na Conferência IEEE deste ano sobre visão computacional e reconhecimento de padrões em Salt Lake City, nos Estados Unidos. Podemos esquecer a previsão de crimes antes que aconteçam. Ainda há um longo caminho a percorrer antes de os cientistas se preocuparem com esse tipo de futuro. Fonte: https://ciberia.com.br/software-ve-futuro-40680
  8. Onde você acha que o mundo ou o nosso país se encontrará daqui uns 40 anos? Áreas: Social/Cultural Econômica Histórica Geográfica Científica Biológica Tem vezes que eu paro pra pensar no futuro da nossa humanidade, do nosso país, do nosso planeta. Até onde o ser humano pode chegar, tudo o que conseguimos e o que ainda iremos conseguir...
  9. WC Repórter - O Papel Vanguardista e Inovador da Web Cheats na “Era 10” Os fóruns online são palcos das mais célebres divulgações de cheats, discussões acaloradas e propagação de conteúdo de design. Fóruns existem para todos os gostos: fóruns que suportam os mais assíduos fãs de MMORPGs, aos otakus da fanbase do Naruto ou até mesmo aos gamers leitores dos sites vinculados ao GameBlast. Gostos a parte, até a Level Up se pontifica em ter entre seus domínios fóruns onlines para seus jogadores. Há pessimistas que dizem que “os fóruns” estão mortos – se assim o é, por que eles continuam sendo criados? –, tal como Nietzsche anunciou no livro Gaia da Ciência que Deus estava morto. Esse que vos escreve, Dom Astrogildo, seu repórter a todo momento, não acredita que os fóruns e até deus tenham vindo a falecerem. Apesar de que as redes sociais, tal como Facebook e os sites como YouTube abrigarem uma legião de fãs, eles ainda não conseguem bater de frente com a Web Cheats no quesito de hackers, tutoriais e, também, no que se refere em ferramentas para ajudar os problemas de quem mais precisa; sempre seremos muito mais objetivos e melhores nesses assuntos. Fóruns vs Redes Sociais Um fórum usualmente possuí um conteúdo muito mais delimitado, o conteúdo dele é preestabelecido de forma mais rápida – se o fórum é sobre cheats, então ele sempre majoritariamente sobre cheats e satisfaça-se com isso pequeno gafanhoto de araque; numa rede social se é bem mais comum as pessoinhas aglomeradas decidirem o que irão quererem verem em suas queridas “telinhas virtuais”. Numa rede social você pode criar um grupo sobre ballet e várias pessoas entraram nele, discutirem o estilo de dança e você mesmo poderá ser o “líder” desse grupo de admiradores da dança. Num fórum se é um pouco mais difícil, um administrador delimita qual tipo de conteúdo será criado. Diria que os fóruns são bastante menos abertos a liberdade criativa e liberdade de escolha – mas isso nem de longe quer dizer que não exista liberdade criativa ou liberdade de escolha; nossos fóruns, em comparação, possuem muito mais ferramentas para ajudar o criador de conteúdo a se dedicar ao seu trabalho. O que acontece nos fóruns é que a hierarquia, quem comanda e quem obedece, é mais restrita e nas redes ela é muito mais aberta, mais espontânea e livre. Você pode a todo momento decidir “se tornar um líder” e criar um grupo, bons criadores receberão mais membros e péssimos criadores menos. Já num fórum, na WC (Web Cheats) mesmo, isso é mais difícil. Se nosso Fórum fosse “WG (Web Games)”, por exemplo, poderíamos estar agora discutindo sobre o possível novo console ou portátil da Big N (Nintendo). Por causa dessas complicações, comparar fóruns online com redes sociais é algo muito difícil. Redes sociais possuem relações muito mais espontâneas que fóruns, a competição de grupos por membros é alta e as regras de grupo para grupos varia muito – a qualidade de grupo para grupo é absurda e se é muito comum brigas e “secessões”, além de bons membros saírem o tempo todo por causa do mal comportamento de membros intolerantes, ponto para nós, nos fóruns a organização é muito melhor e esses problemas acontecem com muita pouca frequência. Um fórum costuma ser muito mais fácil de se relacionar, pois, muito frequentemente, regras são, quase que, inteiramente fixas de área para área – nas redes sociais elas podem variar de ideologia para ideologia. Nossos “cabeças” são mais fixos – isso garante tempo para maior aprendizagem e adaptação –, porém, nossa organização e compreensão são bem mais fáceis no que se entende por regras. Nossas ferramentas são um pouco mais difíceis de se comandar e requerem uma determinada quantia de tempo de aprendizagem, porém nossas “páginas” são muito mais bonitas que as do Facebook e nos orgulhamos muito disso! O membro que sabe usar o Fórum da maneira adequada pode visualizar o Fórum de forma muito mais polida e concisa que as redes sociais. Nas redes sociais, por exemplo, o Facebook, se é preciso descer postagem por postagem, enquanto aqui, na WC (Web Cheats), se é preciso apenas saber o nome do tópico ou pesquisá-lo pelas ferramentas de pesquisa. Web Cheats é Vanguardista! Sempre nos foi muito difícil (e custoso) abrigar áreas novas dentro de nossos fóruns – esse problema é um “lugar-comum” para todo mundo que convive dentro de fóruns, especialmente para quem tem um fórum –, toda criação de área era vista com uma imensidão de incerteza que obscurecia nossas visões já periféricas. Fóruns, como já descrito, possuem um poder criativo muito prefixado em relação as redes sociais que, diferentemente, só possuem regras de convivência e poder de criação quase que ilimitado. A Web Cheats não é só mais um fórum de cheats – como você, querido leitor, já deve ter percebido –, com o tempo passamos a perceber que os “cheats” não dariam vigor eterno e deixava muito “fixo” nossas crescidas e subidas. Promessas de novos cargos para uma nova área é até bom, mas jogos novos para novos hacks – e a criação desses hacks – não surgem a todo momento – muito menos capital humano (membros bons) na criação de hacks, tutoriais, atendimento de dúvidas (afinal, membros têm dúvidas) ou até mesmo dispostos a interagirem na área bate papo das áreas novas. Outro problema contumaz que persiste: nem todo jogo que entra no Brasil “cola”, isto é, nem todo jogo atrai jogadores o suficiente para fóruns onlines que faça valer a pena a criação de uma área exclusiva e “investir” em moderadores para essa área. Encaramos o que a dado momento todos os fóruns encararam – e para o “ ”, eles encararam e caíram no limbo, sorte nossa, chora mais – a diversificação sem cheats – ninguém pensou nisso antes, além daquelas ideias de criação de áreas para animes/mangás, é claro; isso quebrou um velho “tabu” (talvez uma “tradição”) nossa. Acostumamo-nos a sempre depender de jogos que viriam para cá e dariam um “boom” em nossos fóruns, mas eles nem sempre chegavam. Descentralizamos muito nossa Staff, isso foi bom para fiscalização das áreas e trouxe novos moderadores e membros, mas isso por si só e insuficiente para fazer que nosso querido Fórum voltasse a “decolar”. Uma Luz no Fim do Túnel O que fez a Web Cheats tomar o papel vanguardista – que sempre lhe foi dado por mérito, convém lembrar – foi a reinterpretação do conceito de fórum. Falhamos miseravelmente enquanto não tínhamos esquecido dos nossos “antigos dogmas”, eles estavam nos tornado seres tribais. Como foi escrito anteriormente: nossos principais problemas eram as esperas por jogos que a pudesse criar ou receber cheats e prefixação alta do que poderia vir a ser construído e explorado no Fórum. Esquecemo-nos dessas bobagens de selvagens e criamos uma rede interconectada de fóruns. A Web Cheats foi redescoberta com a criação da WEBFX e WEB GAMING. Não seremos nunca mais uma “coisa limitada”, e a Web Cheats deu sua declaração de “guerra” – mesmo que discretamente e só para quem tenha cérebro o suficiente para entender a periculosidade desse potencial incrivelmente inovador – a todos os outros fóruns brasileiros: - Ou vocês sejam covardes demais para copiar nossas armas e tentar de lutar de igual para igual diante delas ou cairão perante elas num ataque fulminante! A Web Cheats é agora um grande império – seja soterrado para o crescimento do mesmo, huehuehuehuehue –, renda-se para nós agora ou acabe sendo destruído para sempre!