Bem vindo !

Não perca tempo, registre-se agora mesmo! Membros registrados tem acesso a muito mais conteúdos, além de poder participar de bate-papos, discussões e compartilhar novidades com a comunidade. Não perca essa oportunidade!

Lógica de Programação - Fluxograma e Portugol

Discussão em 'Lógica de Programação' iniciado por Arkanun1000, 10 Out, 2017.

Compartilhe esta Página

Random Thread
  1. Arkanun1000 Game Developer & Java Developer

    Moderador Coordenador
    Arkanun1000
    Registro:
    25 Jan, 2011
    Posts:
    3,196
    Curtidas:
    550
    200/265
    Introdução à Fluxograma e Pseudocódigo

    Fluxograma é uma ferramenta utilizada para representar graficamente o algoritmo, isto é, a sequência lógica e coerente do fluxo de dados. Composta por desenhos geométricos simples conhecidos como diagrama de bloco.

    Diagrama de Blocos

    Ferramenta utilizada para representar o método do fluxograma, isto é, o que significa cada símbolo geométrico utilizado no fluxo, sua função, sempre desenvolvido no nível de detalhe necessário.

    Simbologia:

    Veremos a seguir cada símbolo e qual a sua função.

    [​IMG]
    Clique aqui e Registre-se para visualizar esse link
    Exemplos de fluxogramas

    Exemplo1: Considere a tarefa de coletar e levar o lixo para fora.

    No Algoritmo simples teríamos:

    1- Pegar o saco de lixo;
    2- Juntar o lixo com a vassoura;
    3- Coletar com a pazinha;
    4- Encher o saco de lixo;
    5- Amarrar a boca do saco de lixo;
    6- Levar o saco para fora;

    Já no Fluxograma com Diagramas de Blocos teríamos:

    [​IMG]


    Trabalharemos melhor os fluxogramas, mas antes, veremos o que são PSEUDOCODÍGOS.

    Pseudocódigo Portugol.

    Falsa linguagem de programação serve como base para outras linguagens, apresentando entradas, tipos de dados, processamentos e saídas. Chamada por alguns de português estruturado e por outros de portugol serve para a criação, desenvolvimento e documentação de um sistema computacional. Portugol possui a estrutura a seguir:

    Cabeçalho – nome do programa
    Bloco de variáveis – local de declaração de variáveis e serem utilizadas no programa.
    Código – instruções do programa.


    Tipos de Dados


    Para trabalharmos com linguagens e pseudolinguagens de computador, precisamos compreender como os valores são manipulados. Os dados processados ou armazenados são todos definidos previamente pelos seus tipos para não termos problemas para utilizá-los depois. Como por exemplo, termos números para informar quantidade e caracteres para nomes e endereços. Tudo tem seu tipo e seu uso definidos pelo desenvolvedor da solução digital.

    A pseudolinguagem portugol compreende os tipos de dados:

    Inteiros – negativos ou positivos.

    • 1
    • -9
    • 800
    • -12
    • 1481

    Reais – negativos ou positivos, fracionados ou inteiros.

    • 1,98
    • -9,99
    • 800
    • -12
    • 1481,09

    Caracteres – cada caractere ou conjunto que utilizamos para escrever um texto. Podendo ser letra ou número.

    • A1
    • Roberto
    • 800
    • RUA 2
    • CANETA SV

    Lógicos – sempre definidos como verdadeiro ou falso, SIM ou NÃO.

    Variáveis

    Endereço de memória previamente definido para armazenar dados. São temporários, possuem um tipo e podem ser para entrada ou saída de dados. Para não bagunçar a memória que usamos e podermos utilizar os dados posteriormente devemos nomear as variáveis, isto é, nomear onde iremos guardar os dados. Para isso devemos seguir algumas regras:

    1- Nunca utilize números no primeiro caractere;
    2- Não pode conter espaços em branco;
    3- Não pode ser palavra reservada;
    4- Serve para sua identificação.

    Obs.: não utilize números no primeiro caractere porque toda a memória é mapeada numericamente e o computador não consegue identificar o seu espaço criado como variável, não utilize espaços em branco porque o computador entende que ali acaba a sentença e pula o que vem depois do espaço em branco, isso quer dizer que se você entrar com nome e sobrenome ele guarda apenas o nome e pula o sobrenome já que existe um espaço em branco entre eles, não pode ser palavra reservada, significa que o computador possui palavras que ele tem como funções específicas tais como print e scan, se o computador recebe a instrução print ele não sabe se é para guardar ou imprimir os dados, e, por fim utilize o nome da variável para sua identificação, se é para guardar números crie uma variável com o nome VALOR, ou NUM, não crie A1, porque desta forma não sabemos o motivo de sua criação. Exemplos de nomes de variáveis:


    • VALOR2
    • NOME
    • END
    • NUMERO

    Operadores

    São símbolos que utilizamos para realizar determinadas tarefas matemáticas. Por exemplo, em Pseudolinguagem temos:

    • + adição
    • - subtração
    • / divisão
    • * multiplicação
    • = atribuição

    O símbolo de atribuição o “igual” será usado para indicar que o endereço de memória, a variável receberá um valor.
    Exemplo: NOME = “leme”;

    A variável NOME recebe o dado leme. Agora leme está guardado no espaço NOME da memória para ser utilizado posteriormente.

    Com o que temos já podemos desenvolver a base dos sistemas de computadores vejamos um exemplo completo.

    1º - Criar um programa que leia 2 valores e apresente a sua soma.

    ETAPA 01 – Algoritmo

    1- Criar duas variáveis do tipo inteiro, valor1 e valor2;
    2- Criar uma variável do tipo inteiro, soma;
    3- Ler os valores de valor1 e valor2;
    4- Inserir em soma os valores lidos;
    5- Apresentar a soma;

    COMENTÁRIOS:
    Passo 1: criamos duas variáveis para armazenar os dois valores que o problema pediu, como não especificou o tipo de dado de entrada, podemos então criá-los do tipo inteiro ou real, no caso criaremos inteiros.
    Passo 2: criamos uma outra variável do tipo inteiro para armazenar a soma dos dois valores.
    Passo 3: agora com as variáveis criadas podemos ler e guardar os valores 1 e 2.
    Passo 4: guardaremos a soma dos dois valores em soma.
    Passo 5: exibiremos no monitor o resultado da soma dos dois valores.

    ETAPA 2: fluxograma
    [​IMG]




    OBS.::. Para TODOS os programas teremos que observar se ciclo de EPS está funcionando. O que é EPS? ENTRADA, PROCESSAMENTO E SAÍDA. Este processo DEVE acontecer em todos os programas, indicando que o fluxo de dados aconteceu de forma correta, porém saiba que; nem toda entrada depende do usuário.



    ETAPA 03: Portugol


    Programa exemplo1;
    Var
    VALOR1, VALOR2, SOMA: inteiro;

    Inicio
    Escreva ( “ entre com o valor 1 : “);
    Leia ( VALOR1);
    Escreva ( “ entre com o valor 2 : “);
    Leia ( VALOR2);
    SOMA = VALOR1+VALOR2;
    Escreva(SOMA);
    Fim.

    COMENTÁRIOS:
    Linha 1: “programa” é uma palavra reservada, não pode ser utilizada para outro fim, apenas identifica o programa, e o “exemplo1” é o nome dado ao programa pelo desenvolvedor. Poderia ser outro nome, segue as regras de nomenclatura de variáveis.
    Linha 2: “Var”, indica o inicio do bloco de variáveis. Todas as variáveis utilizadas no programa.
    Linha 3: as variáveis e seus respectivos tipos, sempre teremos o nome da variável, quando mais de uma separadas por vírgula, e depois dois pontos e o tipo. Exemplo: NOME: caractere; NUM: real; Observe ainda que sempre depois de uma linha de instrução existe um ponto e vírgula indicando que o fim da linha chegou e continua o programa no comendo seguinte.
    Linha 4: inicio das instruções;
    Linha 5: “escreva” é uma função de saída, serve para indicar que algo será escrito no monitor, e, o que será escrito está dentro dos parênteses e entre aspas. Tudo dentro dos parênteses que está entre aspas aparece no monitor do modo como foi escrito, quando sem aspas, apresenta o valor guardado no endereço da variável.
    Linha 6: “leia” é uma função de entrada, serve para indicar que algo será armazenado em uma variável. Neste caso a informação vem via teclado e será guardada na variável VALOR1;
    Linha 7: exibe no monitor a instrução “ entre com o valor 2:” através da função de saída escrever;
    Linha 8: armazena na variável VALOR2 o valor digitado pelo usuário via teclado.
    Linha 9: armazena a soma de VALOR1 e VALOR2 na variável SOMA;
    Linha 10: apresenta no monitor através da função de saída escreva o valor resultado da soma de VALOR1 e VALOR2;
    Linha 11: finaliza o programa com fim e ponto. Utilizamos ponto final porque esse é o último comando do programa.
     
Top